Alhos, favas e sementeira em estufa

6 entradas / 0 novas
Última mensagem
Carlos Mendes
Alhos, favas e sementeira em estufa

Depois de construir uma estufa (270*140cm)com pouco dinheiro, já brotão as plantinhas: cebolo, couve coração, alface "4 estações" e poucos tomateiros.

No dia 30/11/2012, semeei 112 dentes de alho comprados numa casa de sementes e ainda um pacote de favas da mesma proveniência.

As técnicas utilizadas são o resultado da recolha de informação diversa pela internet e de livros da especialidade. Estou a falar de agricultura biológica, de compostagem e de preservação do meio ambiente...

Para não duplicar a informção e para quem estiver interessado, deixo o link para o meu Blog, onde poderei, tal como aqui, responder a perguntas de interessados e curiosos:

http://lugardocaminho.blogspot.pt/

Uma boa semana a todos

Carlos Mendes
Bio-horta - Actualizações com imagens

Amigos,

Aqui estão mais imagens do trabalho entretanto realizado, com fotos para melhor compreensão e explicações das técnicas utilizadas em http://lugardocaminho.blogspot.pt/

Deixo-vos aqui apenas uma foto como amostra.

Cumprimentos,
Carlos

CarlaSousa
Parabéns Carlos! Que belo

Parabéns Carlos!

Que belo trabalho você fez. E que tipo de fertilizantes é que usa?

Margarida
Ola Carlos! Faço minhas as

Ola Carlos!

Faço minhas as palavras da Carla, parabéns!
Diga-me uma coisa, já tinha o gosto pela agricultura ou surgiu de repente?? A sua horta tem uma boa exposição solar?
Porque no meu caso, só bate o sol da parte da manhã, o que limita um pouco o que posso cultivar.

Carlos Mendes
Estufa e semeadura

Olá caras amigas da horticultura...

- Respondendo á 1ª pergunta da Carla, devo dizer que apesar da terra da minha horta se encontrar na fase da 1ª cultura, não uso fertilizantes comerciais, apenas me esforço por colocar resíduos vegetais suficientes para uma boa drenagem das águas e para um aporte adicional de fungos e micro-organismos benéficos que de outra forma demorariammuitomais tempo a instalar-se.
Inicialmente, nem minhocas eu conseguia ver na minha horta o que já não acontece hoje.
Sempre que posso, arranjo um pouco de escremento de cavalo ou de coelho, assim como cinzas ou restos de carvão vegetal para adicionar á terra, torná-la mais habitável aos tais micro-organismos e ajudando na retenção de água.
Devo acrescentar que a minha cultura destina-se apenas ao consumo privado e desenvolvo os meus conhecimentos por pura recreatividade.
Sou bastante sensível a questões ambientais e para mim, é mais importante "voltar" às origens, com conhecimento do que um resultado brilhante. Aliás, na agricultura biológica devemos aceitar com naturalidade o facto de algumas culturas serem mais afectadas por esta ou aquela praga ou doença e mesmo assim, colher o que a natureza nos dá, sem qualquer acrescento de pesticidas ou adubos químicos.
- Quanto à localização da minha horta e orientação solar, posso dizer que esta se encontra no sopé de uma pequena colina e que recebe sol desde o nascente, praticamente até o Sol se pôr.
A minha experiência pessoal advém da pouca agricultura que fazia o meu falecido pai que cultivava sobretudo tomate, alface e batata.
Eu tenho, em contrapartida, diversas saquetas de hervas aromáticas repelentes de insectos (exemplos: arruda, tomilho, hortelã menta, funcho, alecrim, assim como outras plantas que pretendo plantar para servirem de "engodo" a certas pragas (exemplo: capuchinha).

Enfim, esta resposta já vai longa e não quero maçar. Lembro que vou actualizando o meu blog à medida que os resultados forem aparecendo e partilhando fotos convosco, sendo que o tema 'consociações' será certamente um dos mais abordados aomlongo da caminhada...

Espero sinceramente que passem tempos divertidos a mexerem na terra...
Até breve e obrigada pelos vossos posts.

Carlos

CarlaSousa
Boa tarde Carlos!! Concordo

Boa tarde Carlos!!

Concordo consigo, porque também não sou a favor do uso de fertilizantes artificiais, nem pesticidas.
Já agora, usa excrementos de cavalo e de coelho, em particular, porquê?? Está a dar-me umas ótimas dicas, confesso-lhe que não tive a sua paciência para aprender e ler sobre o assunto. Pelo menos, não muito.

Obrigada.

Inicie sessão ou registe-se para comentar.